quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

CHACRINHA O VELHO GUERREIRO

Abelardo Barbosa nasceu no interior de Pernambuco, na cidade de Surubim em 1917. Menino gordinho e um tanto desajeitado, já na infância mostrou talento para a animação. Bom aluno, chegou até o segundo ano do curso de medicina, mas as dificuldades financeiras da família o obrigaram a ser camelô, ocasião em que descobriu seu poder de comunicação. Migrando para o Rio de Janeiro, aceitou comandar um programa de fim de noite na Rádio Tamoio, cujo endereço era numa pequena chácara em Niterói. Daí a origem do nome Chacrinha. Não era um bom locutor, mas tinha grande personalidade e movimentava o programa com tiradas divertidas, transformando o programa num grande sucesso.   

Inicialmente foi duramente criticado pelos intelectuais que o acusavam de explorar o mundocanismo em seus programas. Mais tarde foi considerado um gênio da comunicação e considerado por Caetano Veloso como o precursor do tropicalismo. Sua temporada e maior sucesso na televisão foi na TV Globo, sendo um dos responsáveis pelo período de ascensão da emissora. Mais tarde, Boni, o poderoso diretor geral da Globo, o demitiu, assim como a Dercy Gonçalves,  sob a argumentação de que seus programas não atendiam ao “padrão globo de qualidade”. Esse revés deixou profunda mágoa no Velho Guerreiro. Nada, no entanto o tirou de seu propósito, partindo para contratos com outras emissoras e apresentando seu programa por todo  o Brasil. Anos depois ele retornou á emissora apresentando o programa Cassino do Chacrinha, que era um misto do Buzina e do Discoteca.

Na vida pessoal, mostrava-se um homem fragilizado e inseguro. Do seu casamento com Dona Florinda, nasceram 3 filhos homens. Num trágico acidente, um deles (José Renato) ficou paraplégico, resultando mais uma dura prova emocional para o incansável Chacrinha.
Para um grande número de artistas, Chacrinha foi um verdadeiro pai, lançando carreiras e promovendo suas músicas. Mas também cobrava fidelidade e magoava-se com muitas injustiças daqueles que após alcançarem o sucesso lhe viravam as costas e se recusando a cantar em seus programas.

Além das sensuais e lendárias chacretes, são célebres suas frases  como “na televisão nada se cria, tudo se copia”, “Quem não se comunica se trumbica”, “alô, alô Terezinha é um barato a discoteca do Chacrinha”, “Roda, roda e avisa, um minuto de comercial”, “vocês querem bacalhau?” , “Eu vim pra confundir, não para explicar!”, “você vai cantar o quê, meu filho?” , “vai para o trono ou não vai?”, “palmas pra ele que ele merece!” , “E agora vamos receber a internacional... “ , “cheguei, baixei, saravei”, “Como vai meu bem, veio a pé ou veio de trem?”, “Terezinha...” e uma infinidade de outras tantas.

No seu programa “Buzinha do Chacrinha”, reunia um time quase bizarro de jurados que incluía tipos exóticos como Elke Maravilha, Pedro de Lara e Aracy de Almeida, a quem ele se referia como “a Dama da Central”, devido à preferência da velha cantora pelas viagens de trem para as gravações do programa em São Paulo.


O velho Guerreiro morreu em  Junho de 1988, aos 70 anos, menos de um mês após apresentar seu último programa. Fumante inveterado, teve câncer no pulmão e insuficiência respiratória. Na memória de quem conheceu seu trabalho e seus anárquicos programas, que incluía troféu abacaxi, concurso de pulgas e outras maluquices,  continua mais vivo que nunca. Uma lenda!

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha
Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha
Chacrinha e Dona Florinda

Chacrinha

Chacrinha homenageando Tarcísio e Glória com o Troféu Velho Guerreiro

Chacrinha com Wanderléia e seu filho Nanato

Chacrinha

Chacrinha e Glória Menezes
Chacrinha


Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha e Rosemary

Chacrinha e sua mulher Dona Florinda

Chacrinha com Glória Pires e Fábio Jr.

Chacrinha

Chacrinha

Chacrinha e Wanderléia

Chacrinha e Elke Maravilha

Chacrinha e Caetano Veloso

Chacrinha e Clara Nunes

Chacrinha e Vando

Chacrinha e Ronnie Von

Chacrinha homenageando Sérgio Cardoso
Chacrinha com Paulo Sérgio 

Chacrinha com Tarcísio Meira e Glória Menezes

Chacrinha e Ronnie Von

Chacrinha e Marília Pêra

Chacrinha e Cláudia Barroso

Chacrinha e Roberto Carlos

Chacrinha e Tim Maia
Chacrinha e Beth Carvalho

Chacrinha e Sidney Magal

Chacrinha e Peninha

Chacrinha e a jornalista Marisa Raja Gabaglia

Chacrinha com Nelson Ned e a chacrete Índia Potira

Chacrinha e Wanderléia

Chacrinha e Cláudia Barroso

Chacrinha e Clara Nunes

Chacrinha com Cauby Peixoto e Ângela Maria

Chacrinha e Nélson Ned

Chacrinha com Cláudia Raia e Elke Maravilha

Chacrinha os comediantes da TV Tupi

Chacrinha e Jerry Adriani

Chacrinha 

Chacrinha e Roberto Carlos

Chacrinha e Gretchen

Chacrinha e Chacretes

Chacrinha e Luiz Airão
Chacrinha e Alcione

Chacrinha e Ivon Cury

Chacrinha e Silvana

Chacrinha e Elis Regina

Chacrinha e Elke Maravilha

Chacrinha com José Fernandes e Cláudia Barroso

Chacrinha e Cláudia Barroso

Chacrinha e Elke Maravilha

Chacrinha com Sérgio Cardoso, Cinira Arruda, Regina Duarte e Cláudio Marzo

Chacrinha com o jornalista Moysés Weltman e Glória Menezes
Chacrinha e suas inesquecíveis chacretes.

Chacrinha 
Chacrinha 

Chacrinha 


Fotos - acervo de Orias Elias - revistas Amiga (Bloch Editores), Contigo (Editora Abril), Sétimo Céu (Bloch Editores), Romântica (Editora Vecchi), Melodias  (Editora APA), Manchete (Bloch Editores), Cartaz (Rio Gráfica e Editora SA), Intervalo (Editora Abril), O Cruzeiro, Jornais Diário de São Paulo, Folha de São Paulo,  Blog TUDO ISSO É TV (Césio Gaudereto), site TV Globo, Site Canal Viva, Cedoc (TV Globo), sites diversos da Internet 

Nenhum comentário:

Postar um comentário