quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

FERNANDA MONTENEGRO A ATRIZ DO SÉCULO


“Fernanda Montenegro é a maior atriz do Brasil”, “Fernanda Montenegro é um mito”, “Fernanda Montenegro é a atriz do século”, "Fernanda Montenegro é a primeira dama do teatro brasileiro". Fernanda Montenegro rejeita todos os rótulos que a colocam como atriz maior no panteon das deusas do teatro brasileiro. Não é modéstia, pois ela tem consciência do seu valor e sabe que os adjetivos não são por acaso. São décadas de luta, acertos e erros, perseverança, amor e respeito ao ofício de representar. Também sabe que não caminhou só. Ao seu lado estiveram grandes atores, grandes diretores e um parceiro inigualável, no talento, na paixão pelo teatro e na paixão pela mulher amada, chamado Fernando Torres, seu companheiro de jornada por toda a vida.

 Arlette Pinheiro Esteves Torres  nasceu no Rio de Janeiro em  16 de outubro de 1929. Filha de um mecânico e uma dona de casa, a mais velha de três irmãs, aos 15 anos de idade entrou para o rádio como locutora na Rádio MEC.  Em seguida passou a ser radioatriz. Em 1950 entrou para o teatro, onde conheceu Fernando Torres, seu futuro marido. Juntos construíram uma sólida parceria na vida e nos palcos e tiveram um casal de filhos. 

Na televisão, junto com colegas do teatro, entre eles, Ítalo Rossi, Sérgio Britto e Nathália Timberg, participou de centenas de teleteatros. Em 1964 passou às telenovelas da TV Rio e da TV Excélsior, onde se destacam suas participações em A Muralha (Ivani Ribeiro, 1968) e Sangue do Meu Sangue (Vicente Sesso, 1969). Com o fechamento da emissora paulista, dedicou-se exclusivamente ao teatro, retornando às novelas somente em 1979, como protagonista de Cara a Cara, de Vicente Sesso, na TV Bandeirantes. Em 1881, a convite do amigo Manoel Carlos, atuou em Baila Comigo, na TV Globo e a partir de então, se tornou um dos primeiros nomes do cast da emissora carioca, com dezenas de sucessos e até um prêmio Emmy internacional como melhor atriz de televisão pelo especial Doce de Mãe (2012). Entre seus principais trabalhos na TV Globo estão as novelas Brilhante (Gilberto Braga, 1981), Guerra dos Sexos (Silvio de Abreu, 1983), Cambalacho (Silvio de Abreu, 1986), O Dono do Mundo (Gilberto Braga, 1991) e Belíssima (Silvio de Abreu, 2005) e as minisséries Incidente em Antares (1994) e Hoje é dia de Maria (2004).

No cinema, atuou em mais de 30 filmes, em atuações premiadas mundo afora, entre eles destacam-se A Falecida (Leon Hirszman, 1965), Tudo Bem (Arnaldo Jabor, 1978), Eles Não Usam Black Tie (Leon Hirszman, 1981) e Central do Brasil (Walter Salles, 1998).


Mas é no teatro que está a paixão maior de Fernanda Montenegro. Suas atuações nos palcos brasileiros são a marca maior de seu extraordinário talento. Atuando em dramas ou comédias, peças comerciais ou textos herméticos, de autores nacionais ou estrangeiros, a grande dama dos palcos não faz menos que um trabalho brilhante, sendo a mais premiada atriz do teatro brasileiro. Ao longo de sua carreira atuou em mais de uma centena de espetáculos, alguns em temporadas de anos como É... (Millor Fernandes, 1977 a 1980), As Lágrimas Amargas de Petra Von Kant (Fassbinder, 1982 a 1986), e Dona Doida (Adélia Prado, 1987 a  1993). São consideradas memoráveis suas atuações em A Moratória (Jorge Andrade, 1955), Nossa Vida com Papai (Howard Cindsay, 1956); Vestir os Nus (Pirandello, 1958); O Mambembe (Arthur Azevedo, 1959), Mary, Mary (Jean Kerr, 1963); Mirandolina (Goldoni, 1964), A Mulher de Todos Nós (Henri Becque, 1966),  Volta ao Lar (Harold Pinter, 1967), Fedra (Racine, 1986) e outras mais.

Certa vez, numa oficina sobre interpretação com o autor e diretor Naum Alves de Souza, eu perguntei a ele como tinha sido a experiência de dirigir Fernanda Montenegro. Ele me respondeu ter sido uma experiência tranqüila, pois ela não se coloca como aquela atriz que sabe tudo. A cada trabalho ela pega a personagem do zero e a constrói da base ao teto, sem pular etapas. Ele a definiu com uma frase: “É uma atriz trabalhadeira!”.


Há muitos anos, num certo domingo, eu fui até seu camarim entre uma sessão e outra da peça Dona Doida no Teatro Delfim, no Rio, para beijar-lhe as mãos. Ela autografou o programa da peça e ainda me convidou a sentar, enquanto aguardava um repórter. Agradeci a gentileza, mas achei por bem deixá-la descansar um pouco depois da belíssima apresentação do poético solo escrito por Adélia Prado. Isso dá uma idéia da grandeza dessa mulher que tanto honra o Brasil como artista e como ser humano digno e trabalhador, que fez da arte seu patrimônio maior.

A mais premiada atriz do Brasil, no teatro, na televisão e no cinema, a única atriz brasileira a concorrer ao Globo de Ouro e ao Oscar, premiada além das nossas fronteiras, na Itália, na Espanha, na Alemanha, em Cuba, nos Estados Unidos;  reconhecida, venerada, respeitada e não obstante tudo isso, de uma simplicidade atroz, sem jamais ter tido qualquer ataque de estrelismo com colegas e fãs, Fernanda Montenegro é um paradigma para qualquer ator, minimamente consciente. Então, Dona Fernanda que me desculpe, mas ela é sim, para mim, a melhor atriz, não do Brasil, do mundo!   

veja também os posts:

FERNANDA MONTENEGRO NO TEATRO - ANOS 1950/1960
http://astrosemrevista.blogspot.com.br/2012/12/fernanda-montenegro-no-teatro-anos.html

FERNANDA MONTENEGRO NO TEATRO - ANOS 1970 / 2000
http://astrosemrevista.blogspot.com.br/2012/12/fernanda-montenegro-no-teatro-anos-1970.html

FERNANDA MONTENEGRO NO CINEMA
http://astrosemrevista.blogspot.com.br/2012/12/fernanda-montenegro-no-cinema.html

FERNANDA MONTENEGRO NAS NOVELAS
http://astrosemrevista.blogspot.com.br/2012/12/fernanda-montenegro-nas-novelas.html

FERNANDA MONTENEGRO FAMILIA E AMIGOS
http://astrosemrevista.blogspot.com.br/2012/12/fernanda-montenegro-familia-e-amigos.html

FERNANDA MONTENEGRO NAS CAPAS DE REVISTAS E LIVROS

http://astrosemrevista.blogspot.com.br/2012/12/fernanda-montenegro-nas-capas-de.html


Fernanda Montenegro aos 25 anos
Fernanda Montenegro 

Fernanda Montenegro
Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro
Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro como locutora na Rádio MEC em 1949

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro em 1972

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro recebendo o troféu Golfinho de Ouro em  1970

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro
Fernanda Montenegro
Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro
Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro
Fernanda Montenegro em 1956 na peça Nossa Vida Com Papai

Fernanda Montenegro em 1968 na novela Redenção

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro
Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro
Fernanda Montenegro
Fernanda Montenegro
Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro
Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro
Fernanda Montenegro
Fernanda Montenegro
Fernanda Montenegro

Fernanda Montenegro


Fotos - acervo de Orias Elias - revistas Amiga (Bloch Editores), Contigo (Editora Abril), Sétimo Céu (Bloch Editores), Romântica (Editora Vecchi), Melodias  (Editora APA), Manchete (Bloch Editores), Cartaz (Rio Gráfica e Editora SA), Intervalo (Editora Abril), O Cruzeiro

4 comentários:

  1. nunca devemos exagerar: uma maravilhosa atriz... mas "melhor atriz do mundo"? Voce conhece todas?

    ResponderExcluir
  2. nunca devemos exagerar: uma maravilhosa atriz... mas "melhor atriz do mundo"? Voce conhece todas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. EU PODERIA TE DAR UMA RESPOSTA ARRASADORA, MAS COMO SOU EDUCADO, MANTENHO MEU SAVOIR FAIRE: ESTA É APENAS A MINHA OPINIÃO, NO MEU BLOG...

      Excluir