sábado, 5 de janeiro de 2013

SUZANA VIEIRA A ESTRELA LIBERTÁRIA



Tudo na vida tem um preço e às vezes a fatura cobrada é salgada. Dizia o poeta “A mão que afaga é a mesma que apedreja”.  A mesma mídia que corre atrás das celebridades é especialmente cruel em criticá-las e até ridicularizá-las, numa relação perversa e cruel. Fazer sucesso é, para muitos, um pecado mortal. Quando se trata de uma mulher, num mundo machista e patriarcal,  a situação é ainda pior.  Suzana Vieira é uma mulher que não se conformou com o conservadorismo da sociedade que acha que as vovós têm que se recolher ao recato, cuidar de lulus e netinhos. Ela quer fazer isso também, mas não só, afinal está viva e quer ter o direito de ser feliz. Aos olhos conservadores, ofuscados  por preconceitos, pode parecer que Suzana Vieira exagera na sua busca pela juventude, na paixão por homens mais jovens, na exposição de seus pensamentos, no exagero de suas gargalhadas, mas é muito complicado julgar e condenar alguém pelas aparências, e ao largo de seu verdadeiro eu. Um artista que tem sua vida patrulhada e escancarada vive num constante estresse e o espalhafato pode apenas ser uma defesa.

Há alguns anos a estrela envolveu-se com um bonitão problemático e por ele enfrentou grandes reveses, cujo desfecho teve cores de tragédia, com a morte do rapaz num episódio recheado de detalhes escabrosos que fez furor na imprensa. Chorou, sofreu, mas ao estilo Edith Piaf, "elle ne regrette pas". Partiu para outra, sem arrependimentos.

Não é fácil curar as feridas da alma e Suzana tem sido ferida com implacáveis flechadas nos últimos anos. Ela se defende, ainda que, às vezes, de forma equivocada, e persegue, com unhas e dentes, o direito de ser feliz, afinal, foi para isso que, acredito, viemos ao mundo.

O que interessa, e deveria ser realmente divulgado, é a trajetória de luta de uma das melhores atrizes do Brasil. Nascida Sônia Vieira, ao ingressar na carreira artística, adotou o primeiro nome da irmã, pois na época já havia outra atriz com seu nome real. Assim nasceu Suzana Vieira, que no início dos anos 1970, depois de algumas novelas na TV Excélsior e na TV Record,  chegou à TV Globo fazendo pequenos papéis e mostrando em cada um deles o seu imenso potencial. 

Na novela O Espigão era Tina Camará, uma solteirona reprimida que se casava com Donatello (Mauro Mendonça), o secretário pau mandado do ambicioso empresário Lauro Fontana (Milton Morais), apenas para  facilitar a compra, pelo patrão, de um terreno onde ela e os irmãos moravam e ali construir um grande hotel de luxo. A surpresa foi que, ao descobrir os prazeres do sexo, a solteirona pegou fogo e não queria mais sair da cama, deixando o rapaz exaurido. Os gritos de prazer da moça escandalizavam o condomínio onde o casal foi morar. Uma delícia! Depois, foi convocada para viver Celina, uma  viúva recatada na novela Escalada, de Lauro César Muniz. E eis que a sorte lhe bate à porta: às vésperas da estréia, Camila Amado, que viveria a Cândida, uma das protagonistas da história, desistiu do papel e Suzana a substituiu. Boa novela, boa atriz, bom papel e o resultado, um sucesso extraordinário. Desde então, Suzana Vieira figura no primeiro time da emissora carioca, tendo registrado no currículo sucessos como a maquiavélica Nice de Anjo Mau, a doce Marina de A Sucessora, a exuberante Rubra Rosa de Fera Ferida, a perversa Branca de Por Amor e a batalhadora Maria do Carmo de Senhora do Destino

Muitos foram os papéis nas novelas e mesmo que alguns deles não tenham sido grandes sucessos, foram defendidos com talento, garra, disciplina e extremo profissionalismo. Foi com esses ingredientes que Suzana Vieira conquistou prestígio e popularidade. Esquecer essa história, é no mínimo, uma injustiça, pois Suzana Vieira não é uma celebridade fabricada, é uma atriz com um respeitável currículo!






SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA




SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA


SUZANA VIEIRA


SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA 
SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA 
SUZANA VIEIRA 
Suzana Vieira com Sílvio Santos recebendo a medalha de Rainha da TV em 1976
Suzana Vieira com o cantor João Luís Wildner 

Suzana Vieira com Peri Ribeiro num Show da legendária boate O Beco, no Rio
SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA E RÉGIS CARDOSO
 Regina Duarte, Suzana Vieira, Maria Isabel de Lizandra e Arlete Montenegro na TV Excélsior
SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA



SUZANA VIEIRA


SUZANA VIEIRA


SUZANA VIEIRA


SUZANA VIEIRA   
SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA  

SUZANA VIEIRA 
SUZANA VIEIRA E RÉGIS CARDOSO


SUZANA VIEIRA E RUBENS DE FALCO  
SUZANA VIEIRA e MÁRIO GOMES    
SUZANA VIEIRA


SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA   

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA 
SUZANA VIEIRA 

SUZANA VIEIRA 

SUZANA VIEIRA 

SUZANA VIEIRA 
SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA 

SUZANA VIEIRA 

SUZANA VIEIRA 

SUZANA VIEIRA 

SUZANA VIEIRA 

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA 
SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA
SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA

SUZANA VIEIRA


Fotos - acervo de Orias Elias - revistas Amiga (Bloch Editores), Contigo (Editora Abril), Sétimo Céu (Bloch Editores), Romântica (Editora Vecchi), Melodias  (Editora APA), Manchete (Bloch Editores), Cartaz (Rio Gráfica e Editora SA), Intervalo (Editora Abril), O Cruzeiro, Jornais Diário de São Paulo, Folha de São Paulo

2 comentários: